A Unidade de Gestão do Projeto (UGP) Produtor de Água no Pipiripau organizou suas atividades por meio da criação de grupos de trabalho. Ao total, são sete grupos, cada um responsável por um assunto, os quais encaminham as ações específicas do projeto.

A seguir, conheça uma breve descrição do papel de cada grupo de trabalho dentro da Unidade de Gestão do Projeto.
GT 1 – Conservação de solo

Coordenado pela Agência Nacional de Águas (ANA) e tem como participantes Seagri-DF, DER-DF, Emater-DF. É o grupo de trabalho responsável em promover ações e práticas conservacionistas do solo, na Bacia do Pipiripau.

As frentes de trabalho deste GT são:

  • Apoiar a construção de terraços/bacias de infiltração; e
  • Fazer a readequação de estradas vicinais.

O objetivo de tais práticas é evitar a implantação de processos erosivos que são condicionados basicamente por alterações do meio ambiente, provocadas pelo uso do solo nas suas várias formas, incluindo o desmatamento e a agricultura, até em obras viárias. A adoção de práticas conservacionistas do solo resulta em:

  • Aumento da taxa de infiltração;
  • Aumento da vazão das nascentes;
  • Recarga na bacia e
  • Redução do volume de sedimentos carreados para os rios.

 

GT 2 – Reflorestamento

Coordenado pela Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seagri-DF) e tem como participantes Caesb, Emater-DF, Embrapa Cerrados, Fundação Banco do Brasil (FBB), Ibram, Sema, TNC, WWF e UnB. O grupo de trabalho de Reflorestamento se destaca em função de suas ações de promoção da redução dos processos de erosão e assoreamento dos mananciais das áreas rurais, um dos principais objetivos do Programa Produtor de Água.

Em uma área reflorestada, a vegetação funciona tanto como barreira, evitando a força da água nos processo de desagregação e lavagem do solo, quanto como viabilizadora de condições favoráveis no solo a fim de otimizar a infiltração da água da chuva.

As frentes de trabalho deste GT são:

  • Promover ações para reflorestamento da vegetação nativa na bacia do ribeirão Pipiripau e nas áreas de preservação permanente (APP) relacionadas a nascentes, cursos d’água, reservatórios, lagos e lagoas naturais;
  • Coordenar a produção, o transporte e a distribuição de mudas do Viveiro da Granja Ipê de forma a viabilizar o plantio nas propriedades rurais beneficiadas pelo Programa;
  • Elaborar o planejamento de ações de reflorestamento necessárias no âmbito do Projeto Produtor de Água da bacia do ribeirão Pipiripau e assegurar a sua execução.

Como produto, o GT 2 disponibilizou um software com as seguintes informações:

  • Dados dos beneficiários;
  • Ano de contrato;
  • Tipo de ação (cercamento, enriquecimento, plantio, replantio);
  • Quantidade e espécies disponibilizadas;
  • Área a ser trabalhada;
  • O que falta a ser implantado?

GT 3 – Pagamento por Serviços Ambientais (PSA)

Coordenado pela Adasa e tendo como participantes ANA, Banco do Brasil, Caesb, Emater-DF, Ibram, Seagri-DF, TNC e WWF. O GT de Pagamento por Serviços Ambientais atua na operacionalização dos pagamentos pelo fornecimento de serviços ambientais na bacia do ribeirão Pipiripau, atua ainda na verificação dos recursos financeiros disponíveis e na forma de repasse do mesmo aos produtores rurais beneficiados pelo Programa.

As frentes de trabalho deste GT são:

  • Articular a adesão dos produtores rurais ao Projeto Pipiripau, por meio de ações de mobilização e esclarecimento;
  • Manter cadastro atualizado de produtores rurais cujas propriedades estejam inseridas total ou parcialmente dentro da Bacia do Ribeirão Pipiripau;
  • Formalizar o interesse do produtor ao Projeto (ficha de inscrição);
  • Visitar as propriedades e elaborar os Projetos Individuais de Propriedade (PIPs) necessários para realização dos contratos;
  • Apresentar os PIPs aos produtores e realizar as adequações necessárias para formalização da proposta do produtor;
  • Prestar orientação aos produtores rurais que aderirem ao projeto sobre a conservação de água e solo, e o uso racional da água na agricultura irrigada;
  • Validar a proposta do produtor e protocolar o PIP na Adasa.
  • Abrir e gerenciar os processos em nome dos produtores rurais que aderirem o programa;
  • Elaborar os Contratos de Prestação de Serviços Ambientais, bem como a sua publicação em Diário Oficial do Distrito Federal;
  • Realizar os cálculos dos valores a serem pagos aos proprietários rurais para cada contrato celebrado, segundo as modalidades de Pagamento por Serviços Ambientais contempladas no Programa;
  • Promover a vistoria anual pela Comissão Avaliadora para avaliação das propriedades quanto à realização das ações previstas no Projeto Individual de Propriedade (PIP);
  • Atestar a execução do PIP em cada propriedade e solicitar o pagamento anual do produtor à Adasa

 

GT 4 – Canal Santos Dumont

Coordenado pela Caesb e tendo como participantes Adasa, ANA, Emater-DF, Embrapa Cerrados, Seagri-DF e Sudeco. O grupo de trabalho do Canal Santos Dumont visa envidar esforços para viabilizar a execução das obras de recuperação do Canal de Santos Dumont.

 

GT 5 – Monitoramento

Coordenado pela Universidade de Brasília e tendo como participantes Adasa, ANA, Emater-DF, Embrapa Cerrados, Seagri-DF, Ibram, TNC, Caesb. O grupo de trabalho de Monitoramento é responsável por acompanhar a evolução da disponibilidade de água na bacia do ribeirão Pipiripau.

As frentes de trabalho deste GT são:

  • Realizar o monitoramento hidro-ambiental da bacia: Vazão, qualidade da água, solo e chuva
  • Fazer a proposição de novos monitoramentos (redes, sensores etc)
  • Realizar estudos e pesquisas na bacia, relacionados ao tema
  • Gerar dados para alimentar futuras ações do Projeto
  • Produzir e alimentar o Portal Ambiental Municipal (PAM) nos assuntos relativos ao GT-5
  • Elaborar os Relatórios Trimestrais de Atividades
  • Realizar a publicação de artigos técnicos e científicos sobre o tema

 

GT 6 – Educação Ambiental

Coordenado pelo Instituto Brasília Ambiental (Ibram), e tendo como participantes Adasa, Caesb, Emater-DF, Rede Sementes do Cerrado, WWF e DER-DF. O GT de Educação Ambiental visa promover a conscientização por meio da educação ambiental, a fim de garantir a oferta de água suficiente a todos os que dependem da Bacia, evitando assim escassez e conflitos. A educação ambiental é definida como os processos através dos quais o indivíduo e a coletividade constroem valores sociais, conhecimentos, atitudes, habilidades, interesse ativo e competência voltada para a conservação do meio ambiente, bem de uso comum do povo, essencial à sadia qualidade de vida e à sua sustentabilidade.

As frentes de trabalho deste GT são:

  • Promoção da sensibilização dos produtores para a necessidade de recuperar as nascentes e as margens do Rio Pipiripau;
  • Desenvolvimento do senso de coletividade no uso da água;
  • Difusão do conhecimento a respeito dos processos naturais e a ação do homem, que influenciam na oferta e qualidade da água;
  • Divulgação de atitudes mais ecologicamente corretas com relação ao uso da água e do solo;
  • Difusão de técnicas mais adequadas para a utilização do solo e da água;

 

GT 7 – Comunicação e Marketing

Coordenado pela Emater-DF e tendo como participantes Adasa, Caesb, Seagri-DF, WWF, TNC, Sudeco, ANA e Ibram. O grupo de trabalho de Comunicação e Marketing é responsável por divulgar as ações do projeto.

As frentes de trabalho deste GT são:

  • Elaborar e divulgar notícias sobre o projeto Produtor de Água do Pipiripau;
  • Disponibilizar informações e atualizar o site do projeto Produtor de Água do Pipiripau;
  • Divulgar as ações do projeto nas redes sociais, principalmente Facebook.

2014 Portal - Produtor de Água do Pipiripau.